Esgotamento psíquico: saiba como gerenciar!

Compartilhe

Psicóloga Caroline Maria Nunes

O conteúdo de hoje surge com o propósito de conversarmos sobre o esgotamento psíquico, gerado principalmente no segundo semestre do ano. Se quando o ano se aproxima do fim e você começa a se sentir muito mais cansado das suas atividades profissionais, saiba que isso tem nome e se chama Síndrome de Burnout. Para entendermos melhor do que se trata, a Síndrome de Burnout nada mais é que o estado de tensão e estresse emocional causado pelo excesso de atividades de trabalho. Entre os estudantes, que muitas vezes, precisam conciliar a vida acadêmica com a jornada de trabalho, tendem a desenvolver mais facialmente a Síndrome de Burnout, visto que, estão mais propensos ao adoecer quando assumem condições de estudo e de trabalho desgastantes. 

Neste ano de 2020, com tantas mudanças repentinas nos nossos fazeres, seja na forma de trabalhar ou de estudar, resultou em diversas consequências na saúde mental dos trabalhadores e estudantes de maneira geral. Com o surgimento da pandemia, vimos a nossa fragilidade exposta e certamente, ficamos mais propensos ao sofrer e adoecer psíquico, entendendo que a qualidade da produtividade decaiu, mas a quantidade da produção continuou e inclusive aumentou, apontando a dificuldade dos trabalhadores/estudantes em gerenciarem o seu tempo. Com o isolamento social, a prática de trabalhar e estudar de forma remota, trouxe o desafio de saber a hora de parar. O lar que antes servia como descanso, passa a dar lugar para uma produtividade incansável, que no final das contas, se torna improdutiva psiquicamente.

Com o fim do ano se aproximando, temos um acúmulo de atividades exercidas o ano todo que refletem em sintomas físicos e psíquicos que irão servir como alerta, podendo indicar uma Síndrome de Burnout. Deste modo, destaca-se: mudanças bruscas de humor, irritabilidade, cansaço excessivo, dificuldade de concentração, lapsos de memória, ansiedade, depressão, enxaqueca, dores musculares, insônia, entre outros diversos sintomas que poderão resultar no agravamento da Síndrome.

Por isso, elaboramos 5 estratégias para você gerenciar o seu esgotamento psíquico:

  • Procure por ajuda profissional: a Síndrome de Burnout requer acompanhamento psicológico de um psicólogo e em algumas situações, de intervenções psiquiátricas que irão auxiliar no tratamento medicamentoso. O esgotamento psíquico só poderá ser tratado a partir de um diagnóstico em que poderá auxiliar o paciente a identificar o que está causando esse esgotamento, bem como buscar saídas para lidar com o sofrimento advindo dessa situação.
  • Realize práticas de autocuidado: reserve um momento do seu dia para cuidar da sua saúde física e mental. Entre em conexão com seu corpo e com seu psiquê por meio de uma atividade física regular, lendo um bom livro, ouvindo a sua música preferida, fazendo uma massagem relaxante, enfim, proporcionando a si mesmo algum momento de prazer.
  • Avalie as suas condições de trabalho/estudo: condições de trabalho/estudo precárias tendem a resultar em esgotamento psíquico. Por isso, identifique se o local no qual você tem trabalhado, tem ofertado a você condições adequadas que possam assegurar a sua saúde mental e física.
  • Coloque o pé no freio: a importância de desacelerar e saber elencar o que é prioridade é fundamental para quem vem sofrendo com o esgotamento psíquico. Você não precisa dar conta de tudo. Coloque como prioridade o seu sono em dia e o seu autocuidado para que consiga posteriormente olhar para as demandas do externo.
  • Tenha momentos de lazer: quem sofre de esgotamento psíquico, possui uma tendência a dedicar-se de forma descontrolada e intensa ao trabalho, deixando de lado suas necessidades básicas como comer, dormir, estar com a família e amigos. Deste modo, reserve um tempo na sua semana para fazer algum programa que alimente a sua sociabilidade. Ainda que a pandemia esteja oferecendo limitações, não deixe de desfrutar de momentos de lazer consigo mesmo e que te façam sair da lógica “full time” de trabalho.

 

Por isso lembre-se:
Não deixe de cuidar de você. Para que você consiga dar conta das suas atividades, sua saúde física e mental precisa ser colocada em primeiro lugar.

Gostou dessas dicas? Compartilhe com seus amigos.

Com carinho, da psicóloga Caroline 💙

Por Equipe de Conteúdos CEISC

    Leave Your Comment Here

    Close Bitnami banner
    Bitnami