Como você cuida da sua saúde mental?

Por:

Caroline Maria Nunes

Em alusão ao janeiro branco (mês de conscientização dos cuidados com a saúde mental), trago a importância de discutirmos sobre o cuidado com a saúde mental em nossas vidas. O aumento significativo de diagnósticos de transtornos mentais (ressaltando a depressão e a ansiedade) no ano de 2021, evidencia a necessidade de desconstruir preconceitos e estigmas sociais em relação ao sofrimento e adoecimento mental. O objetivo de inserir esse tema nos espaços que ocupamos, é de estimular a conscientização sobre a importância de prevenir os danos emocionais ocasionados pela falta de atenção com a saúde mental, influenciando no surgimento de adoecimentos físicos e psicológicos. 

Por isso, te convido ao seguinte questionamento: quais ações voltadas ao cuidado com a sua saúde mental têm sido realizadas por você? Percebe-se o quanto ainda existe uma grande dificuldade instituída pelo social em conseguir reconhecer e validar o próprio sofrimento e o do outro sem banalizar, criticar, julgar ou diminuir. O estigma associado à aqueles que já tiveram ou ainda sofrem com algum tipo de adoecimento psíquico, criam barreiras sociais e esse alguém passa a ser alvo de discriminação quando evidencia a necessidade de apoio especializado. 

Deste modo, identifica-se que muitas vezes se é dado uma ênfase maior ao cuidado da saúde física, esquecendo-se do corpo enquanto totalidade, principalmente de olhar para o interno. Há uma busca incessante de olhar para fora e uma evitação de se confrontar com a dor, até porque tende-se a nomear como “vergonhoso” a possibilidade em assumir quando não se está bem, o que suscita um mecanismo de negação das emoções. E é importante ressaltar que quando se fala em saúde mental, não se fala em ausência de doença mental, mas sim sobre a possibilidade de entendimento das emoções e sentimentos.

 É importante refletirmos que o cuidado com a saúde mental vem a fortalecer o sujeito, podendo reaver a sua relação com a vida. Principalmente em momentos de fragilidade psíquica e diante de situações geradoras de sofrimento. E para procurar um psicólogo, não se deve esperar que o sofrimento se transforme em adoecimento. Muitas pessoas vão procrastinando o cuidado mental, achando que ele irá amenizar com o passar do tempo, o que pode resultar em uma série de danos negativos, vindo a se transformar posteriormente em adoecimento. Por isso, é importante a identificação de sinais de alerta que indicam conflitos internos. 

Além disso, o apoio especializado (de um psicólogo e/ou psiquiatra) surge como fonte de autocuidado, no qual, o sujeito poderá estar desenvolvendo um olhar mais empático, acolhedor e respeitoso consigo mesmo, compreendendo a importância de aceitar-se de maneira integral: com erros e acertos, qualidades e defeitos, bem como aprendendo a respeitar à sua subjetividade. E primordialmente, buscar por apoio psicológico poderá auxiliar no desenvolvimento e expansão do autoconhecimento, construindo a independência necessária para lidar com emoções e superar dificuldades. 

Lembre-se que são inúmeras as formas de manter a saúde mental em dia. A primeira delas é buscar validar o você se sente, pois a partir disso, você poderá reconhecer em si quais são seus desejos e o que para VOCÊ é capaz de provocar saúde e bem-estar, já que isso dependerá da sua singularidade, particularidade e subjetividade. Assim, buscar identificar a origem e a causa do seu sofrimento é fundamental, pois somente quando tiver a consciência sobre si, será possível encontrar soluções e maneiras de como manejar essa situação. 

Outras sugestões preciosas são: priorize cuidar de você, busque reconhecer as suas emoções e sentimentos, fortaleça os vínculos sociais e afetivos, desfrute do tempo ócio, exercite a mente e o corpo com aquilo que lhe proporcione prazer. E assim, que você possa aprender a olhar para o que você sente. Questione-se mais, se permita a encarar as suas sombras para que a luz possa se aproximar. Por mais doloroso e intenso que seja, nada é mais recompensador do que saber quem se é e o que deseja se tornar. A mudança que você almeja precisa partir de você! 

Por isso, reflita e compartilhe essa informação. Seguimos disseminando saúde mental como forma de prevenção e autocuidado. Não feche os olhos para o cuidado para com a sua saúde mental e daqueles que te cercam. Abra a sua mente, se acolha e estenda a sua mão para as suas relações!

Com carinho, psicóloga Caroline Maria Nunes!

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunas Relacionadas

Posts relacionados

Skip to content