Como reagir frente às expectativas?

Como reagir frente às expectativas? Aprenda a lidar com essa pressão no blog do Ceisc.
Psicóloga Caroline Maria Nunes

Por:

Caroline Nunes

Hoje eu estou aqui para conversar com vocês sobre um tema que mobiliza muitos alunos: julgamentos, expectativas internas e externas e pressões sociais diante da prova.

E frente a esse tema, primeiramente gostaria de lançar o seguinte questionamento:

Quantas vezes você já desistiu de apostar no que deseja pelo medo do que as outras pessoas iriam pensar sobre você?

As exigências da vida, nos lança um script social que por vezes causa insegurança, medo, reforça comparações e pressões para que se consiga corresponder às normativas. E diante de alguns objetivos (como passar na prova da OAB), muitas vezes, se idealiza que uma conquista que demanda tanto psiquicamente como essa, aconteça dentro de um tempo determinado e programado.

Mas o que acontece quando esse script de “ter que passar na prova dentro de um prazo estipulado”, foge daquilo que foi previsto por você?

Surge então a frustração. E poder lidar com a perda da idealização de uma vida perfeita que saia exatamente de acordo com aquilo que se imaginou é extremamente necessário. Já imaginou que graça teria se fôssemos viajar ao encontro do desconhecimento se soubéssemos o que iríamos encontrar?

Frustração

Faz parte do amadurecimento emocional poder frustrar-se e não corresponder expectativas externas. Lembre-se de que assumir um funcionamento psíquico adulto envolve não agradar a todos. E tudo bem. Você nasceu para construir a sua história, ir em busca daquilo que deseja e não para satisfazer os desejos externos que você supõe que tenham sobre você (seja família, amigos, colegas de trabalho).

Por vezes, ao não atingir determinadas expetativas externas que você imagina, pode suscitar fantasias de que você poderá ser menos admirado/amado pelo seu externo. Mas será que isso realmente aconteceria? Será que você se reconhece somente diante dos seus acertos e conquistas, não conseguindo tolerar os seus erros e frustrações que também fazem parte de quem você é?

Será que você não pode ser simplesmente quem você é? Com falhas e qualidades? Potencialidades e vulnerabilidades? Com ganhos e perdas?

Como é aprender a se amar em sua inteireza?

Quanto mais você busca a validação do outro, mais você poderá se perder de si mesmo. O outro nunca saberá o que é melhor para você, porque ele não sente como você. Cada pessoa possui a sua história, a sua subjetividade e sua maneira de sentir.

Por isso, arriscar e apostar ao testar os seus conhecimentos possibilita crescimento e evolução interna, embora nem sempre o resultado final venha ao encontro do que você esperou. E é importante saber sentir e elaborar o luto dessas perdas simbólicas para que você consiga continuar investindo em seus desejos.

Lembre-se que:

O resultado de uma avaliação, seja ele diferente do qual você imaginou, não definirá o seu conhecimento e quem você é. É muito importante também você se questionar sobre como você encara as avaliações em sua vida. O fato de já ter chegado até aqui e de ter dado esse primeiro passo, já significa uma tentativa em si mesmo. Parabéns por você ter tentado, isso já diz muito sobre a audácia e coragem em arriscar no que você deseja se tornar. Por isso, mais do que um resultado em si, a prova significa uma possibilidade de testar os seus conhecimentos, bem como poder se desafiar e se conhecer.

Nem sempre teremos controle sobre o planejamento que temos em vista, já que a vida não se trata de uma linha linear que precisa ser seguida à risca. Vivemos em um mundo de muitas expectativas internas e externas, pressão por ser bem-sucedido e ter sucesso, que não é possível tolerar falhas e erros durante a jornada, surgindo mecanismos punitivos contra si mesmo. Em relação à frustação, é importante entendermos que ela faz parte do autoconhecimento. Fugimos o tempo todo de nos frustrarmos, esquecendo que é impossível passar pela vida, sem vivenciar algumas frustrações.

Respeite seu tempo

Além disso, é muito importante respeitar o seu tempo, os seus limites e refletir que nem sempre tudo irá acontecer conforme previsto e planejado e nem por isso você deverá desistir de um objetivo estipulado. Para isso, deverá construir e pensar em outras possibilidades alcançáveis e viáveis para esse momento.

A necessidade de validação e aceitação externa, pode alimentar uma autocobrança que faz com que você se perca daquilo que realmente gostaria de ser/fazer, pois aquilo que é seu e do outro se confundem.

Assim, seja fiel antes de tudo consigo mesmo. Acolha as suas dores e seus próprios erros, sem se punir ou se maltratar. Você não deve se amar apenas quando acerta. Valorize a sua caminhada e o seu processo de crescimento interno diante de suas frustrações também. Nenhuma prova deve colocar em risco a sua integridade física e mental.

Uma aprovação não define a sua capacidade intelectual e o valor de quem você é. Você merece se tratar de forma respeitosa e afetiva!

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

2 respostas

  1. Muito bom esse artigo, as vezes me sinto impotente tem momentos que o desânimo me toma por completo, a sensação é de nunca vou conseguir alcançar o meu objetivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunas Relacionadas

Posts relacionados

Pular para o conteúdo