As Mulheres na Matemática

Por:

Gustavo Rodrigues

Falar da presença das mulheres na Matemática é uma tarefa delicada. Digo isso porque, segundo Melo (2017), a atuação neste campo é predominantemente masculina graças a dois fatos: a falta de pensadoras que são apresentadas aos alunos no estudo da disciplina e a diferença expressiva entre o número de homens e mulheres que buscam a ciência para estudo e atuam no mercado ou nas academias.

Quando encerramos o Ensino Médio, conhecemos nomes como Pitágoras, Tales e Euler. Todos homens importantes na construção de nosso conhecimento científico. Mas quais nomes de mulheres a gente conhece? Pensando em contribuir para a divulgação do trabalho das mulheres na Matemática, trago três nomes de mulheres que deram uma contribuição marcante para o desenvolvimento dessa nobre ciência. Além dos nomes delas, um breve relato sobre a contribuição de cada uma delas.

Katherine Johnson

Matemática afro-americana é uma das personagens retratadas no filme “Estrelas além do tempo”, que resgata a trajetória de cientistas negras que trabalharam na NASA durante a corrida espacial, na década de 1960. Naquela época, ainda não se usava computadores para fazer cálculos complexos, e foi Katherine a responsável pelas contas que garantiram a ida e a volta de astronautas ao espaço com segurança. Por ser mulher e negra, sofreu muito preconceito, mas seu pioneirismo na ciência espacial foi incontestável pelos trabalhos, pesquisas e artigos científicos que produziu.

O site da NASA dispõe de um repositório com inúmeros artigos referentes à Katherine, que podem acessados aqui.

Maria Laura Mouzinho Leite Lopes

Primeira doutora em Matemática do Brasil, foi, também, a primeira mulher a se tornar Membro Titular da Academia Brasileira de Ciências, em 1951. Em sua carreira, a pernambucana atuou em instituições de prestígio como a Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, a Universidade Federal do Rio de Janeiro e o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), onde foi a primeira mulher a ministrar aulas de geometria no curso de engenharia. Participou da criação do CNPq e do IMPA.

A biografia da matemática brasileira pode ser conferida na 2ª edição do projeto Pioneiras, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

Maryam Mirzakhani

A iraniana foi a primeira mulher a receber a Medalha Fields, em 2014. Ph.D. em Matemática pela Universidade de Harvard, deu aulas na Universidade de Princeton e na Universidade de Stanford. Entre suas áreas de pesquisa estava a geometria algébrica, geometria diferencial, sistemas dinâmicos, probabilidade e topologia de baixa dimensão. Maryam inclusive inspirou a criação do Dia das Mulheres na Matemática, celebrado em seu aniversário, 12 de maio.

Você pode consultar os artigos que Maryam escreveu no Google Scholar.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunas Relacionadas

Posts relacionados

Skip to content