A quantas anda a pacificação da Colômbia? Histórico e Atualidades

Nesta primeira parte, um resgate histórico de um país que traz no seu passado as marcas da violência, e que desde 2016, tenta colocar em prática seu processo de pacificação.
Bruno Segatto

Por:

Bruno Segatto

Em 2016, o governo colombiano assinou um acordo de paz com as FARC, mas aquele foi somente o ponto de partida de um processo que tem se mostrado complexo e difícil de ser concluído em um país de histórico violento.

Antecedentes: histórico de violência

A violência faz parte da trajetória política da Colômbia desde o seu processo de independência, obtido por meio de guerras contra a Espanha nas décadas de 1810 e 1820. Principal líder na luta pela independência na região, Simón Bolívar conseguiu libertar a Venezuela, a Colômbia e o Equador do jugo espanhol e formou a República da Grande Colômbia, reunindo aqueles países. No entanto, na década de 1830, as divergências entre colombianos, equatorianos e venezuelanos fizeram o sonho bolivariano se despedaçar em repúblicas independentes: Venezuela, Colômbia e Equador.

Posteriormente, o país esteve dividido por décadas entre liberais e conservadores. Inclusive, entre 1899 e 1902, estes dois partidos protagonizaram a Guerra dos Mil Dias. O conflito resultou em milhares de mortes e na independência do Panamá, que pertencia à Colômbia. Embora tenha terminado o conflito, o país continuou passando por momentos de violência política extrema, como em 1948. Naquele ano, o político liberal Jorge Eliécer Gaitán foi assassinado com disparos à queima roupa no centro de Bogotá. A reação dos liberais desencadeou dias de destruição da capital, que ficou conhecido como Bogotazo. O episódio deu início a mais uma década de confrontação política que ficou conhecida como La Violencia (1948-1958).

Homenagens a Jorge Eliécer Gaitán no local em que foi assassinado em Bogotá, em 1948.

Foto: Bruno Segatto (julho de 2023)

Anos 60-70: surgem os grupos guerrilheiros e paramilitares

Durante estas décadas de violência e incapacidade do exercício do monopólio da violência por parte do Estado, proliferaram grupos guerrilheiros em áreas rurais do país. Nas décadas de 60 e 70, então, surgiram grupos como as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), o Exército de Liberação Nacional (ELN), o Movimento 19 de Abril (M-19), dentre outros. 

Estes movimentos se inspiraram no exemplo da Revolução Cubana de 1959, onde uma guerrilha rural havia derrotado o governo e iniciado uma revolução de caráter socialista. Aproveitando-se das ausências do Estado colombiano em áreas rurais do interior do país, estas guerrilhas tomaram o controle de várias porções do território nacional. 

Para reagir ao avanço das guerrilhas de extrema-esquerda, formaram-se grupos de paramilitares de extrema-direita. Estas agrupações armadas eram financiadas por grandes proprietários de terras e apoiadas por governos colombianos. Posteriormente, estes grupos se uniram e formaram as Autodefensas Unidas de Colombia (AUC). A partir de então, o xadrez político colombiano se complexificou, pois os diferentes atores envolvidos estabeleciam alianças contra inimigos em comum. Por exemplo, houve momentos em que os paramilitares se aliaram a determinados grupos de narcotraficantes contra as guerrilhas e outros grupos narcos. No meio deste fogo cruzado estava a população colombiana.

Anos 80-90: entram em cena os cartéis

Aproveitando-se do imenso mercado consumidor norte-americano, organizaram-se grandes cartéis dedicados ao cultivo e exportação de cocaína. Os maiores cartéis estavam sediados nas cidades de Cali e Medellín e tiveram como principais protagonistas líderes como Pablo Escobar, Carlos Castaño,  Gilberto Rodriguez Orezuela, dentre outros.

Nesse cenário, guerrilhas, paramilitares, governo colombiano e cartéis tornaram a Colômbia um dos países mais perigosos do mundo. Assassinatos, execuções sumárias, sequestros e atentados a bomba viraram rotina em um país com um histórico violento. Milhares de pessoas perderam a vida por causa dos conflitos, enquanto outras milhares perderam casas e terras, pois tiveram que abandonar ou vender a preços irrisórios as suas posses para escapar da violência.

Em um dos episódios mais dramáticos da história recente da Colômbia, em 1985 o grupo M-19 invadiu a sede do Palácio da Justiça do país e fez dezenas de pessoas reféns, inclusive ministros da Suprema Corte. Diante da ordem de abrir fogo contra o prédio, blindados avançaram sobre o edifício. No tiroteio seguido de incêndio, mais de 40 pessoas morreram.

Sede do Palácio de Justiça com os nomes das vítimas no ataque de 1985.

Foto: Bruno Segatto (Julho de 2023)

Nas eleições presidenciais de 90, por exemplo, três candidatos à presidência foram assassinados. A escalada da violência e as quantidades cada vez maiores de cocaína enviada aos Estados Unidos fizeram o vizinho do Norte intervir no país caribenho. Agentes da Administração de Controle de Drogas (DEA, sigla em inglês) foram enviados para a Colômbia para contribuir na luta contra os cartéis. Graças ao esforço conjunto de agentes colombianos e da inteligência norte-americana, os grandes cartéis foram sendo desbaratados: em 1993 Pablo Escobar foi morto em Medellín e em 1995 Gilberto Rodriguez Orezuela foi preso em Cali.

Embora com menor intensidade que nos anos 80-90, o tráfico de drogas segue sendo um problema para a Colômbia, os Estados Unidos e todos os países da região. Além disso, mesmo que alguns grupos guerrilheiros tenham deposto as armas, como o M-19 e as FARC, outros ainda controlam porções do território nacional, como o ELN. Assim, o processo de pacificação é algo que foi iniciado nos últimos anos, mas que segue em curso com avanços e recuos. Este será o próximo assunto da coluna Radar do Blog do CEISC.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunas Relacionadas

Posts relacionados

Pular para o conteúdo