Por que explorar citação em redação?

O uso da citação pode ser um diferencial importante nas provas de redação em concursos públicos.

Por:

Luana Porto

A redação, em provas de concurso público, normalmente é cobrada por meio da produção de um texto dissertativo-argumentativo. Este tipo textual requer que o candidato possa analisar e interpretar dados ou situações acerca de um tema e, ainda, posicionar-se sobre o assunto, apresentando uma tese defendida com base em argumentos.

Fique, então, atento às informações a seguir.

Dissertar é expor informações e análise de ideias, dados e fatos com base em um tema. Implica raciocínio lógico, organização de ideias, coesão e coerência entre as partes do texto. No discurso dissertativo propriamente dito, não se verifica, como na narração, progressão temporal entre as frases e, na maioria das vezes, o objeto da dissertação é abstraído do tempo e do espaço.

Argumentar é expor um ponto de vista sobre um determinado assunto, visando a convencer o interlocutor a aceitar uma tese. O foco da argumentação são as ideias, diferentemente da narração, cujo foco são os fatos, ou da descrição, em que se retratam imagens, ou da dissertação, em que se expõem informações sobre um dado assunto. Além disso, a argumentação é construída com vistas a seduzir o interlocutor, a fazê-lo compartilhar determinado ponto de vista.

A argumentação é a parte mais importante, e há vários tipos de argumentos que poem ser explorados, como dados concretos, exemplificação, alusão hisírica, causa e citação.

O que é a citação?

Consiste na recorrência a frases, citações, relatos proferidos por um especialista ou uma autoridade para conferir ao texto maior credibilidade.

Pode ser introduzida por meio de conjunções conformativas: conforme, segundo, consoante. E ainda podem ser exploradas outras palavra de transição, como para, nesse sentido, na visão do autor etc.

Importante: a citação deve ser compreendida como meio para favorecer a defesa da tese e, portanto, precisa ser associada a ela, sendo apresentada como uma “ponte” para sustentar a opinião do auttor da redação.

Exemplo:

O agravamento da injustiça social é o principal problema vivenciado na maioria dos países emergentes e, por isso, é também o maior pecado capital da contemporaneidade. Enquanto houver diferenças gritantes de classe e má distribuição de renda, não haverá justiça social e a cidadania será apenas resguardada no papel. Nesse sentido, pode-se dizer que o pecado da injustiça social acomete fortemente o Brasil, onde há milhares de “minorias” sociais desassistidas pelo Estado e inviabilizada pela sociedade, como moradores de rua, pobres, prostitutos, por exemplo, a quem os direitos fundamentais não são garantidos efetivamente.

Nesse sentido, o sociólogo José Antônio Segatto postulou que o país vive uma cidadania de ficção, caracterizada pela existência de direitos que não são concretizados e pela presença de um Estado que promove, historicamente, a exclusão das classes e camadas não-dominantes do processo sociopolítico brasileiro. Compartilhando a perspectiva do autor, fica difícil não reconhecer que a injustiça social é um pecado amparado pelo Estado, cuja ação precisa ser redimensionada para que minorias sociais deixem de ser apenas cidadãos de papel e passem a ser grupos de pessoas com renda capaz de lhes dar desenvolvimento humano e pessoal, o que certamente contribuirá para a minimização das desigualdades sociais.

Quem citar nas redações?

Preferencialmente, cite grandes pensadores ou aurores que são reconhecidos no campo do saber como referências ou autoridades. Pode ser citados autores de livros, pesquisadores, das mais diferentes áreas.

O que fazer para explorar citação nas redações?

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunas Relacionadas

Posts relacionados

Pular para o conteúdo