Em dia com a língua: tirando dúvidas comuns

Por:

Luana Porto

Na hora de falar ou escrever, podem surgir dúvidas no emprego de alguns termos. Então, para não errar na forma de expressão, seguem algumas dicas que são dúvida comuns para muitos que escrevem redação, outros que precisam ser bons oradores ou para aqueles que querem saber mais sobre o nosso idioma.

EU e MIM

Sempre que houver um sujeito indicando ser agente de ação, use EU.

Exemplos: A atividade para eu executar está muito bem planejada.

O livro era para eu resenhar e não resumir…

Use MIM em final de frase ou antes de preposição.

Exemplos: Ele trouxe um presente para mim.

Contra mim, apresentaram várias denúncias infundadas.

A conversa é entre mim e você.

A e HÁ

A é empregado para indicar tempo futuro e intervalos de tempo assim como para indicar distância.

Exemplos:

Daqui a dois meses ele inicia seu intercâmbio na Inglaterra.

De dois a três dias é o período de visita do Presidente da Emprega à China.

Estamos a seis quadras do prédio.

é empregado para indicar tempo passado e o sentido de “existir” e de “ocorrer”.

Exemplos: Há dois meses, ele iniciou seu intercâmbio na Inglaterra.

Há muitos alunos com reprovação iminente.

Atenção!
Não se deve empregar a expressão “Há” para designar tempo passado e junto a ela a apalavra “atrás”.

Há tempos atrás ele viajou até a Alemanha para conhecer melhor a história da II Guerra Mundial.

Há tempos ele viajou até a Alemanha para conhecer melhor a história da II Guerra Mundial.

Tempos atrás ele viajou até a Alemanha para conhecer melhor a história da II Guerra Mundial.

A FIM DE e AFIM

A fim de é empregado para indicar ideia de objetivo, meta, finalidade.

Exemplo:

João está a fim de prestar vestibular para Direito.

Afim significa semelhante.

Exemplos:

Matemática e estatística são disciplinas afins.

Seu comportamento é afim com o meu.

A MEU VER

A meu ver é empregado sem artigo, da mesma forma como ocorre nas expressões “a meu modo”, “a meu bel-prazer” e “a meu pedido”.

Exemplo:

A meu ver, o cardápio está muito apetitoso.

À MEDIDA QUE e NA MEDIDA EM QUE

À medida que é uma locução conjuntiva com o sentido de proporcionalidade e é sinônima de “à proporção que”.

Exemplo:

À medida que o salário aumenta, ampliam-se os gastos.

Na medida em que indica causalidade (pode ser substituída por “porque” ou “porquanto”), condição ou hipótese (pode ser substituída por “se”).

Exemplos:

A ação de entrada no prédio durante o roubo foi perigosa na medida em que pôs em risco as vítimas do assalto.

A partida será pacífica na medida em que os jogadores evitarem agressões.

A PARTIR DE

A partir de é empregado para designar noção de tempo de início de alguma ação. Equivale a “com início em”, “a datar de”, “de agora em diante”, “desde”. 

Exemplo:

A partir do próximo mês, a empresa iniciará as férias coletivas.

A VER e HAVER

A ver é empregado para designar a ideia de “ter relação de semelhança com”.

Exemplo:

O tema da redação tem a ver com participação social e democracia na internet.

AO NÍVEL DE e EM NÍVEL DE

Ao nível de é empregado para indicar a noção de “à altura de”.

Exemplo:

A calçada está ao nível da rua.

Em nível de é empregado para indicar a noção de “no âmbito de”, “em termos de”.

Exemplos:

Em nível de atribuição de cargos, deve-se priorizar a formação do funcionário.

A eleição de representantes estudantis deve ser realizada em nível de colégios eleitorais municipais, estaduais e federais.

ATRAVÉS e POR MEIO DE

Através significa “aquilo que passa de modo transversal”, “que se pode atravessar”.

Exemplos: O nosso olhar através da fechadura da porta permitiu ver quem está chegando aqui.

Através do vidro do carro, o policial identificou o ladrão.

Por meio de significa  “por intermédio de” e está relacionada à ideia de instrumento para execução de ação.

Exemplos: Por meio do professor, conehci uma colega de estudo maravilhosa.

Por meio de políticas públicas, é possível mitigar a pobreza no Brasil.

AONDE e ONDE

Aonde é empregado para indicar ideia de movimento, sendo equivalente a “para onde”.

Exemplo:

Aonde você foi é frio?

Onde é empregado para indicar apenas ideia de lugar em contextos em que o verbo não expressa ideia de movimento.

Exemplo:

Onde você mora é frio?

CATORZE e QUATORZE

Os dois termos têm o mesmo significado e as duas grafias estão corretas.

Exemplo:

Temos catorze/quatorze dias para concluir o artigo.

DE ENCONTRO A e AO ENCONTRO DE

Ao encontro de empregado para indicar “ser favorável a”, “aproximar-se de”.

Exemplo:
Minhas ideias vão ao encontro da minha orientadora e, por isso, vamos escrever um artigo juntas para o apresentar no evento.


De encontro a é empregado para indicar oposição, colisão.

Exemplo:
O carro foi de encontro ao caminhão que trafegava na rodovia e o resultado foi um acidente fatal.
O que ele defende em relação às cotas de encontro ao que eu tenho dito nas reuniões da universidade.

DEMAIS e DE MAIS

Demais é empregado para indicar “demasiadamente” e é sinônimo de “muito”.

Exemplo:

Ele fala demais.

De mais é empregado para indicar o contrário de “de menos”.

Exemplo:

Ele fez cálculo da minha compra e, quando eu lhe paguei, ele me deu troco de mais.

EMBAIXO e EM CIMA

As grafias dessas palavras são sempre dessa forma, não havendo “encima”.

Exemplo:

Ele colocou o chapéu embaixo da mesa e depois não o encontrou, pois sempre costumava deixá-lo em cima.

EM PRINCÍPIO e A PRINCÍPIO

A princípio é empregado para indicar “começo” ou “início” e substitui no começo”, “inicialmente”, “antes de tudo” ou “antes de mais nada”.

Exemplo:

A princípio do jogo, ele se sentiu mal.

Em princípio é empregado para indicar “por princípio”, “em tese”, “de forma geral”.

Exemplos:

Em princípio, todos os doutorandos deveriam entregar seus trabalhos até o final do semestre, mas essa regra não foi cumprida.

Em princípio, sei que deveria ir â academia todos os dias.

ENFARTE, ENFARTO e INFARTO

As três formas são corretas.

Exemplo:

A minha avó sofre um enfarte/enfarto/infarto.

ESPECTADOR e EXPECTADOR

Espectador é empregado para fazer referência à pessoa que presencia, observa ou assiste a algo.

Exemplo:

Os espectadores têm adorado a série A Casa de Papel.

Expectador é empregado para fazer referência a alguém que espera que alguma coisa aconteça.

Exemplo:

A expectadora estava ansiosa pela chegada de sua encomenda.

Somos expectadores das mudanças do clima neste século.

ESTADA e ESTADIA

Os dois termos têm o mesmo significado e as duas grafias estão corretas.

Exemplo:

Minha estada/estadia na Europa foi maravilhosa pela possibilidade de intercâmbio cultural.

GRATUITO

Existe apenas a expressão “gratuito” sem acento. NA pronúncia, a sílaba tônica é TUI: gratuito.

Exemplo:

A entrada para assistir ao filme foi gratuita.

ÍNTERIM

Existe apenas a expressão “ínterim” com acento. Significa “meio-tempo”.

Exemplo:

No ínterim entre o nascimento do filho e a volta ao trabalho, ela decidiu trocar de carreira.

MAL e MAU

Mal pode ser:

a) advérbio, indicando “erradamente” ou o contrário de “bem”.

Exemplo:

Ele sempre age mal quando é contrariado.

b) substantivo, indicando “doença” ou “algo prejudicial”.

Exemplo:

Seu mal era agir de forma ingênua.

O seu mal é o câncer.

c) conjunção temporal, indicando “assim que” ou “logo que”.

Exemplo:

Mal saiu da reunião e começaram a falar dele.

Mau pode ser:

a) adjetivo, significando “ruim”.

Exemplo:

Ele é um homem mau.

b) substantivo.

Exemplo:

Os maus não podem vencer os bons no final da telenovela.

NADA A VER e NADA QUE VER

Essas expressões são acompanhadas do verbo “ver” e não do “haver”.

Exemplo:

O depoimento dele não apresentou nada a ver/nada que ver com o dela.

RECORDE

Existe, em língua portuguesa, apenas a expressão “recorde”, com sílaba tônica em COR (“o” aberto – cór).

Exemplo:

O nadador busca bater o seu próprio recorde.

RUBRICA

Existe apenas a expressão “rubrica” sem acento e com sílaba tônica em “BRI”.

Exemplo:

Ele se esqueceu da pôr sua rubrica em cada folha do contrato.

SE NÃO e SENÃO

Se não indica “se por acaso não”.

Exemplo:

Se não fizer o exercício, poderá ter dificuldades na prova.

Senão indica “caso contrário”, “a não ser”, “exceto”

Exemplo:

Termine a tarefa, senão perderá pontos por produtividade.

VIAJEM e VIAGEM

Viajem é verbo.

Exemplo:

Quero que eles viajem sempre em segurança.

Viagem é substantivo.

Exemplo: A viagem foi cansativa, mas produtiva.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Colunas Relacionadas

Posts relacionados

Skip to content